Reservatório de Jucazinho, no agreste de Pernambuco, passou por obras de renovação e reparos essenciais, depois de identificadas fissuras na estrutura de concreto

Construída em 1998, a Barragem de Jucazinho é o maior reservatório de Pernambuco, com 70 m de altura e 430 m de largura. Responde pelo fornecimento de água para cerca de 800.000 pessoas de 15 municípios da região. No início de 2016, a barragem entrou em colapso, em decorrência da pior seca dos últimos 60 anos no estado. Agora, preparada para o período de chuvas, atingiu em abril último 6,2 milhões m³ – capacidade total de reserva é de 327 milhões m³.

“O clima muito seco e as chuvas esporádicas causaram muitas infiltrações pelas fissuras e juntas da estrutura de concreto da barragem, que foi se deteriorando e apresentando descamação parcial de suas superfícies”, conta o engenheiro Cláudio Ourives, diretor executivo da Penetron Brasil, responsável pela tecnologia empregada na obra de recuperação. Assim que as chuvas retornassem, a estrutura desidratada poderia se romper e pôr em perigo a cidade vizinha de Surubim e até mesmo inundar Recife, a 124 km de distância. O que se configurava como ameaça para mais de 3 milhões de habitantes.

O diagnóstico foi feito em 2013 pelo governo estadual de Pernambuco, em relatório que recomendou a reparação dos muros de concreto e das galerias de drenagem do obreservatório. “As fissuras foram encontradas na estrutura da barragem durante as inspeções. A barragem realmente precisa de um extenso reparo e renovação”, disse, à época, Roberto Tavares, presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

 

Os especialistas da Penetron Brasil trabalharam com o Departamento Nacional de Armazenamento de Água (Dnocs) para encontrar uma solução adequada de reparação e renovação. “Fizemos um cuidadoso exame das paredes de concreto danificadas e das galerias de drenagem. Optamos por sistemas projetados, para garantir uma aplicação eficaz, com excelente aderência do material projetado, bem como outros tratamentos por cristalização superficial aplica-dos por pulverização”, explica Ourives.

“A deterioração da estrutura está direta-mente ligada à sua manutenção contínua. Após 20 anos de sua construção, esta foi a primeira intervenção de manutenção na estrutura. Para prevenir é de suma importância a manutenção contínua”, explica Bruno Ventura, diretor técnico da Concrepoxi, empresa responsável pela obra de recuperação.

 

Situação encontrada nas estruturas das paredes e teto da galeria. Foi tratada com urgência e registrou-se a execução do serviço

FICHA TÉCNICA

Barragen de Jucazinho (PE)
Localização entre os municípios de Surubim e Cumaru
Início da construção Junho 1996
Término da construção Fevereiro 1998
Sistema Capibaribe
Rio barrado Capibaribe
Área da bacia hidrográfica 4.772 km2
Área da bacia hidráulica (cota 300,00 m) 2.361 ha
Capacidade 327,04 h3
Vazão regularizada 90% de garantia 3,90 m3/seg
Cota do NA máximo normal 292 m
Cota do NA máximo maximorum 298 m

Por Gustavo Curcio

 

ATENÇÃO ASSINANTES!

O acesso às edições mais recentes das revistas AU – Arquitetura e Urbanismo, Construção Mercado, Equipe de Obra, Infraestrutura Urbana e Téchne foi restabelecido em nossa plataforma digital.