Contenção de valas viárias: sistema de escoramento combina estacas secantes (do tipo hélice) e blindagem

Foram necessários dois sistemas de escoramento de valas para garantir a segurança e a produtividade da escavação dos 8,5 m de profundidade da Estação Elevatória de Esgoto Alvorada, construída em 2015, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Na primeira fase da obra, cerca de 150 estacas secantes (hélices) foram instaladas. Em seguida, um sistema de blindagem também foi utilizado no trecho mais profundo. Ao todo, a obra levou oito meses para ser concluída.

Segundo Ricardo Marques, engenheiro supervisor da Tecnoplan Multi-Engenharia, empresa executora da obra, a escavação foi um desafio devido ao grande movimento na região. “Porque era uma área muito ocupada, já muito urbanizada, próxima da Avenida Ayrton Senna”, diz o engenheiro. Por isso, tanto a fase de estaqueamento quanto a de blindagem foram decisivas para o sucesso da escavação.

Descida dos painéis para o início da montagem da blindagem no interior da escavação primária

Estacas e solo
Nos dois primeiros meses da obra, aproximadamente 150 estacas hélice de 40 cm de diâmetro foram instaladas pela Soloteste Engenharia, empresa de engenharia civil geotécnica. “A empresa vem com o equipamento específico para fazer a estaca hélice, que é um eixo sem fim, que faz a escavação da estaca e depois a própria máquina injeta o concreto sobre pressão”, explica Marques.

Nessa área da Barra da Tijuca, o solo é arenoso e com presença de água, sendo assim, a contenção com as estacas secantes era a mais indicada. Isso porque as estacas posicionadas uma ao lado da outra formam uma estrutura rígida com elevada resistência à pressão horizontal da terra e à pressão aquosa.

O escoramento com as estacas garantiu a primeira escavação de praticamente dois terços da obra (pouco mais de 5 m). Para o terço final, foi necessária a utilização de um sistema de blindagem com módulo pré-fabricado, fornecido pela empresa Efficiency Brasil Equipamentos.

“Como o solo era muito arenoso, a água passava por meio das frestas das estacas e carregava material para dentro da vala. Por isso eu não poderia fazer a escavação com fuga de material. Com a blindagem, eu criei uma superfície impermeável”, explica o engenheiro da Tecnoplan Multi-Engenharia.

O sistema de blindagem nada mais é do que um pórtico feito de painéis metálicos, com altura, largura e comprimento predefinidos, que ficam afastados entre si por intermédio de estroncas de aço, o que garante a resistência da estrutura. Com o solo devidamente escorado, os funcionários da obra podem entrar com segurança dentro da vala e, neste caso, instalar a tubulação da rede de esgoto.

Para Sidney Mello, gerente técnico-comercial da Efficiency Brasil Equipamentos, a utilização da blindagem foi fundamental para garantir a segurança da segunda etapa de escavação. “Quando se escava mais 3 metros para baixo, se não escorar esses 3 metros, esse tipo de solo cai dentro do buraco. E não deixa fazer o serviço”, afirma Mello.

A obra da Estação Alvorada foi custeada pelo hotel Grand Hyatt Rio de Janeiro, como contrapartida pelo empreendimento erguido no bairro, de acordo com contrato firmado com a prefeitura do Rio de Janeiro. Atualmente, possui capacidade para bombear 100 litros de esgoto por segundo. A manutenção e a operação do sistema ficam a cargo da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio (Cedae).

Escavação mais profunda já concluída para o início da estrutura de concreto

FICHA TÉCNICA

Obra: Estação Elevatória de Esgoto Alvorada
Localização: Barra da Tijuca, Rio de Janeiro
Ano: 2015
Contratante: Grand Hyatt Rio de Janeiro
Manutenção e operação: Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae)
Execução da obra: Tecnoplan Multi-Engenharia
Escoramento (estacas hélices): Soloteste Engenharia
Escoramento (blindagem): Efficiency Brasil Equipamentos

Por Dirceu Neto