Contenção de valas viárias: sistema de escoramento combina estacas secantes (do tipo hélice) e blindagem

Contenção de valas viárias: sistema de escoramento combina estacas secantes (do tipo hélice) e blindagem

Foram necessários dois sistemas de escoramento de valas para garantir a segurança e a produtividade da escavação dos 8,5 m de profundidade da Estação Elevatória de Esgoto Alvorada, construída em 2015, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Na primeira fase da obra, cerca de 150 estacas secantes (hélices) foram instaladas. Em seguida, um sistema de blindagem também foi utilizado no trecho mais profundo. Ao todo, a obra levou oito meses para ser concluída.

Segundo Ricardo Marques, engenheiro supervisor da Tecnoplan Multi-Engenharia, empresa executora da obra, a escavação foi um desafio devido ao grande movimento na região. “Porque era uma área muito ocupada, já muito urbanizada, próxima da Avenida Ayrton Senna”, diz o engenheiro. Por isso, tanto a fase de estaqueamento quanto a de blindagem foram decisivas para o sucesso da escavação.

Ler mais

Conheça o sistema de estaqueamento de blindagem usado na obra da Estação Elevatória de Esgoto Alvorada, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

Conheça o sistema de estaqueamento de blindagem usado na obra da Estação Elevatória de Esgoto Alvorada, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

O sistema de contenção com estacas secantes chegou ao Brasil em 2004 e começou a ganhar espaço oito anos depois, com a vinda de novos equipamentos para o país. A utilização das estacas secantes apresenta grande versatilidade em relação às técnicas tradicionais, uma vez que não necessita de fluído estabilizante em sua execução. Como o próprio nome já diz, a escavação e a concretagem são efetuadas a seco.

Para a execução das estacas, a perfuração é feita com equipamento derivado do utilizado convencionalmente para fundações hélice contínua (acrescenta-se, normalmente, um acessório na torre de perfuração chamado de “cabeça dupla”). Em seguida, as estacas são preenchidas com concreto ou, também, com “coulis” (uma mistura de bentonita, cimento e água). O preenchimento é lançado por um tubo tremonha, tipicamente usado em concretagens submersas.

Ler mais

Comunicado aos Assinantes PINI!

Clique aqui.