Prefeitura do Rio de Janeiro lança chamamento público para Operação Urbana Consorciada Rio das Pedras | Infraestrutura Urbana

Urbanismo

Notícias

Prefeitura do Rio de Janeiro lança chamamento público para Operação Urbana Consorciada Rio das Pedras

Objetivo é que região de 854 mil m² receba habitações e requalificação na infraestrutura urbana. Investimentos ultrapassariam R$ 10 bilhões

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
18/Maio/2017

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, lançou nesta semana um chamamento público para a seleção de empresa interessada em realizar o desenvolvimento de modelagem da Operação Urbana Consorciada Rio das Pedras, que prevê requalificar o Complexo de Rio das Pedras, localizado nos bairros do Itanhangá e Jacarepaguá, no município carioca.

Divulgação: Governo do Rio de Janeiro

A região possui atualmente uma população de 80 mil habitantes e ocupa 854 mil m², se tornando a maior comunidade do Rio de Janeiro e a terceira maior do País. A prefeitura prevê investimento de R$ 5,4 bilhões em estudos antecessores ao Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), R$ 2 bilhões para infraestrutura urbana e R$ 3,4 bilhões para construção de residências.

O PMI irá analisar a viabilidade do projeto de acordo com as metas, resultados, prazos de execução, vantagem econômica e operacional da proposta para a Administração Municipal e melhoria da eficiência no uso dos recursos públicos. A estimativa da prefeitura é que o PMI permita a utilização dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) para a implantação do projeto, que irá transformar a comunidade em um novo bairro.

Será reinventado um plano de mobilidade com implantação de vias para pedestres na região e interligação com os modais de transporte de forma sustentável, para redução do impacto ao Meio Ambiente. O projeto também conta com a implantação de parques, praças e arborização, despoluição e recuperação ambiental de rios e margens das lagoas próximas a região, além da criação de ciclovias.

O chamamento público determina como objeto de estudo a área delimitada pelas Lagoas da Tijuca e do Camorim, Avenida Ayrton Senna, Avenida Isabel Domingues, Estrada Curipos, Estrada de Jacarepaguá, Rua Aroeira até o junção com a Rua Mario Tebyrica, daí em linha reta até o encontro da Rua Luís Carlos de Castro com a Rua Colins, por esta até a Rua Armostrong, Estrada de Jacarepaguá, Avenida Engenheiro Souza Filho até o encontro com a Rua Francisco Mangabeira e desse ponto perpendicular à avenida até a margem da Lagoa da Tijuca.

“Estamos dando um passo importante a favor da vida de mais de 80 mil pessoas. Trata-se de uma experiência que poderá servir de parâmetro para outras intervenções no Brasil. Queremos nos redimir de um passado que fez dessa cidade uma das mais desiguais. A prefeitura vai entrar com a venda dos Cepacs. Com os recursos que serão investidos no local, vamos criar a infraestrutura para a pavimentação, áreas de lazer, galerias de águas pluviais e saneamento. Uma vez feito isso, as moradias serão construídas por diversas empresas. Tenho certeza de que os investidores vão abraçar esse projeto”, disse Crivella.