Novos integrantes do Conselho Municipal de Planejamento Urbano do Rio de Janeiro são empossados | Infraestrutura Urbana

Urbanismo

Notícias

Novos integrantes do Conselho Municipal de Planejamento Urbano do Rio de Janeiro são empossados

Sob a presidência de Ivan Pinheiro, equipe promete priorizar o eixo das Zonas Norte-Oeste

Luísa Cortés, do Portal PINIweb
17/Janeiro/2017

Tomaram posse na última segunda-feira (16) os novos integrantes do Conselho Municipal de Planejamento Urbano da Cidade do Rio de Janeiro (COPUR-Rio), que ocuparão seus cargos durante o biênio 2017-2018. Os arquitetos deverão propor e discutir alterações urbanísticas, que privilegiem o desenvolvimento socioeconômico da cidade.

Divulgação: Prefeitura do Rio de Janeiro

Entre os profissionais escolhidos, está Augusto Ivan Freitas Pinheiro, que presidirá o conselho. Ele foi um dos responsáveis pela concepção do corredor cultural de preservação e revitalização do Centro, além de participar das ações de preparo da cidade para o projeto olímpico Rio 2016. É professor de urbanismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

A equipe também conta com o trabalho de Paulo Casé, José Cândido Niemeyer Soares, Pedro Rolim e Márcio Menezes, sendo os dois últimos funcionários de carreira da prefeitura. Paulo Hamilton Casé é responsável por diversos projetos arquitetônicos do Rio de Janeiro, assim como projetos de urbanização nos bairros de Ipanema, Bangu e na favela da Mangueira. Já José Cândido Niemeyer Soares tem como seu principal projeto a concepção do CIEP, em colaboração com Oscar Niemeyer.

Pedro Rodrigo Barbier Rolim, por sua vez, foi coordenador da Coordenadoria Geral dos Programas de Interesse Social da Secretaria Municipal de Urbanismo, responsável pelo licenciamento de projetos da política habitacional do Município, do Estado e da Federação. Márcio Menezes Lopes é integrante da Secretaria Municipal de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, e também participou do projeto olímpico Rio 2016.

Segundo Freitas, a prioridade será a discussão sobre o eixo das Zonas Norte e Oeste, ao menos nessa fase inicial. Ele defende que a linha férrea seja incluída nos projetos, já que corte os principais bairros dessas duas regiões.