Museu do Amanhã, na Região Portuária do Rio de Janeiro, será entregue ainda este ano | Infraestrutura Urbana

Equipamentos Públicos

Notícias

Museu do Amanhã, na Região Portuária do Rio de Janeiro, será entregue ainda este ano

Obras projetadas pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava estão em fase de acabamento

Kelly Amorim, do Portal PINIweb
22/Julho/2015

 

As obras de construção do Museu do Amanhã, projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava na Zona Portuária do Rio de Janeiro, devem ser concluídas ainda neste semestre. A entrega do empreendimento de R$ 215 milhões estava prevista inicialmente para o primeiro semestre de 2016. De acordo com a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) e a Concessionária Porto Novo, as intervenções estão em fase de acabamento.

O empreendimento tem área total de 30 mil m² e contempla jardins arborizados no entorno do edifício de 15 mil m², áreas de lazer e ciclovias. O museu abrigará uma loja, auditório, salas de exposições temporárias, restaurante, escritórios administrativos e espaço para pesquisas e atividades educacionais. O piso superior, ligado ao piso térreo por meio de rampas, receberá exposições de longo prazo, um café e um mirante panorâmico.

A construção da estrutura demandou o uso de cerca de 55 mil toneladas de concreto e a implantação de 2,5 mil estacas metálicas. A cobertura do museu é composta por 48 peças de aço vindas desmontadas de Portugal e que se assemelham a asas. Essa estrutura se movimentará ao longo do dia, conforme a posição do sol, e nela serão instaladas placas fotovoltaicas para captar a luz solar e transformá-la em energia elétrica.

Outra característica sustentável do projeto, que objetiva a obtenção da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (Leed), concedida pelo Green Building Council (USGBC), é a instalação de tanques no subsolo, que farão parte dos sistemas de reaproveitamento das águas da Baía de Guanabara, além de dois para armazenamento de água potável. As águas da baía serão utilizadas na troca de calor com o sistema de climatização do prédio. No processo, serão tratadas, filtradas - mantendo a sua salinização - e devolvidas ao mar através de um espelho d''água.