Ministério dos Transportes autoriza a dragagem dos portos de Santos e Paranaguá | Infraestrutura Urbana

Transporte

Notícias

Ministério dos Transportes autoriza a dragagem dos portos de Santos e Paranaguá

Com investimentos de cerca de R$ 800 milhões, intervenções aumentarão a segurança dos portos e a sua capacidade

Luísa Cortés, do Portal PINIweb
3/Fevereiro/2017
Edsom Leite - Ascom/MTPA

O Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, autorizou na última quinta-feira (2) as obras de dragagem dos portos de Paranaguá, no Paraná, e de Santos, em São Paulo.

O Porto do Paranaguá terá 14 milhões de m³ retirados de seu canal de acesso aquaviário, bacia de evolução e berço público. Serão 45 km de extensão com um aprofundamento de 1,5 metro, permitindo a recepção, por exemplo, do maior navio de carga do mundo, o Capesize. A mudança também irá, segundo Quintella, "contribuir para a redução dos fretes, tornando o porto mais competitivo".

As obras serão executadas pela empresa DTA Engenharia Ltda., vencedora da licitação. Ela tem 11 meses para a conclusão da dragagem. O investimento é de R$ 394 milhões.

Já no Porto de Santos a obra da dragagem terá investimentos da ordem de R$ 369 milhões, com o aumento do calado de dois canais de acesso, das bacias de evolução e dos berços de atracação do terminal. Ela será realizada pela Van Oord, que terá 17 meses para a conclusão dos serviços, sendo seis meses para a apresentação do projeto básico e mais 11 para a conclusão.

Estima-se que a cada centímetro de ganho da profundidade, a capacidade de embarcação aumenta em até oito contêineres, o equivalente de 100 toneladas.

O Porto de Paranaguá é o terceiro maior do país em movimentação de cargas, e o segundo maior em movimentação de contêineres. Entre as principais mercadorias importadas ali, estão plásticos, obras de pedra, gesso e amianto. Quanto às exportações, prevalecem soja, farelo de soja, açúcar e milho, além de carnes de aves congeladas e madeiras. A maior parte dos produtos são destinados a países como China (31,72%), Argentina (8,51%), Índia (5,11%) e Estados Unidos (4,21%).

O Porto de Santos, por sua vez, é o principal da América Latina, e movimenta um terço da balança comercial brasileira. Chegou a 113 toneladas de movimentação em 2016, a terceira maior de sua história.

Além de tais obras, o ministro Maurício Quintella também aprovou, na última terça-feira (31) a dragagem do Porto do Itajaí, em Santa Catarina. A obra é orçada em R$ 38,8 milhões e também será realizada pela DTA Engenharia Ltda.