Canalização dos córregos Água Preta e Sumaré devem diminuir transtornos causados pelas chuvas na Zona Oeste de São Paulo | Infraestrutura Urbana

Saneamento

Obra

Canalização dos córregos Água Preta e Sumaré devem diminuir transtornos causados pelas chuvas na Zona Oeste de São Paulo

Ao ampliar a vazão dos córregos, Prefeitura espera melhorar as condições da região famosa pelos alagamentos recorrentes

Por Paulo Hebmüller
Edição 62 - Setembro/2016

Reconhecida pela existência de muitas ruas com declive acentuado, favorecendo o acúmulo da água das chuvas nos pontos mais baixos do bairro, a região entre Perdizes e Pompeia, na zona Oeste da capital paulista, ganhará um reforço para sanar o problema com a construção de novas galerias de canalização dos córregos Água Preta e Sumaré. A ideia geral do projeto é prover dois grandes pontos de captação nas áreas de maior concentração - para o Água Preta, a confluência da Av. Pompeia com a Av. Francisco Matarazzo e a R. Palestra Itália e, para o Sumaré, a Praça Marrey Júnior -, levando a água para desembocar na Marginal do Rio Tietê.

FOTOS: DIVULGAÇÃO SPOBRAS
Aguardada pela população local há mais de 20 anos, a obra para aumentar a vazão dos córregos foi iniciada em julho de 2013 e deve ser entregue no final de setembro

'É muito difícil afirmar que as enchentes na região vão terminar, mas certamente os problemas serão bastante minimizados', acredita Osvaldo Misso, secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras de São Paulo (Siurb).

Aguardada pela população local há mais de 20 anos, a obra da prefeitura para aumentar a vazão dos córregos foi iniciada em julho de 2013 e deve ser entregue no final de setembro. O custo final da operação é estimado em aproximadamente R$ 200 milhões.

Conteúdo exclusivo para leitores
cadastrados ou assinantes da revista Infraestrutura Urbana

Ainda não é um assinante PINI?
Escolha uma das opções abaixo e faça já sua assinatura.