Soluções técnicas: troca automatizada de dormentes e trilhos | Infraestrutura Urbana

Transporte

Soluções técnicas: troca automatizada de dormentes e trilhos

Operando sobre a própria linha ferroviária, máquina faz renovação automatizada dos componentes da via

Por Rodnei Corsini
Edição 52 - Novembro/2015

 

A troca de dormentes, trilhos e fixações para renovação de linhas ferroviárias pode ser executada por uma máquina que faz o trabalho de forma automatizada e contínua. O conjunto do trem renovador possui vagões do tipo plataforma para armazenar os novos e velhos dormentes e o próprio chassis da máquina equipado com ferramentas e módulos de trabalho para remoção e assentamento dos novos elementos. As principais vantagens são a precisão, a segurança e a produtividade. Segundo informações do fabricante, o modelo P190 opera na velocidade média de 300 m/h.

A máquina renovadora de linhas ferroviárias tem flexibilidade para remover dormentes simples ou duplos e pode também remover e instalar novos dormentes de diferentes materiais (madeira, aço, plástico ou concreto) e bitolas. No Brasil, uma máquina desse tipo já está sendo utilizada para renovação da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) e da Estrada de Ferro Carajás (EFC). Nesses casos, a composição utilizada possui aproximadamente 15 vagões carregados com novos dormentes e pode ser operada simultaneamente por cinco operadores e quatro auxiliares. Confira o funcionamento da máquina.

<

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Infraestrutura Urbana

Outras opções