Saiba quais as premissas técnicas de projeto e execução da impermeabilização de túneis e como os métodos foram aplicados em três grandes obras: Estação da Luz (SP), Linha 2 do Metrô de São Paulo e túnel duplo Hindhead, no Reino Unido | Infraestrutura Urbana

Transporte

Tecnologia

Saiba quais as premissas técnicas de projeto e execução da impermeabilização de túneis e como os métodos foram aplicados em três grandes obras: Estação da Luz (SP), Linha 2 do Metrô de São Paulo e túnel duplo Hindhead, no Reino Unido

Por Juliana Nakamura
Edição 47 - Fevereiro/2015
 

Em túneis e obras subterrâneas, a impermeabilização é uma etapa decisiva para garantir longa vida útil à estrutura, minimizar intervenções para manutenção e reduzir transtornos aos usuários. Por muito tempo pensou-se que o concreto moldado e projetado eram impermeáveis e que, por isso mesmo, não necessitavam desse tipo de cuidado. A evolução da engenharia mostrou que ambos os materiais, embora muito resistentes, são porosos, fissuram e perdem a estanqueidade. Por isso, nas últimas duas décadas, as tecnologias para proteger essas estruturas contra a ação da água se desenvolveram a ponto de hoje ser possível escolher a alternativa mais adequada para cada projeto.

Técnicas como a injeção de silicatos, espuma de poliuretano ou gel acrílico são soluções de simples aplicação para impermeabilização de túneis executados por New Austrian Tunneling Method (NATM).

Conteúdo exclusivo para leitores
cadastrados ou assinantes da revista Infraestrutura Urbana

Ainda não é um assinante PINI?
Escolha uma das opções abaixo e faça já sua assinatura.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos