Arena Pantanal | Infraestrutura Urbana

Equipamentos Públicos

Obra - Arena Pantanal

Arena Pantanal

Com arquibancadas independentes e desmontáveis, estádio tem partido arquitetônico que prioriza conforto térmico dos torcedores

Por Romário Ferreira
Edição 39 - Junho/2014

Capacidade: 44.335 lugares
Localização: Cuiabá
Valor da obra:
R$ 570,1 milhões

Quatro módulos independentes de arquibancas formam a nova Arena Pantanal, em Cuiabá. Sem o tradicional modelo oval de assentos em volta do gramado, a concepção arquitetônica fez com que as extremidades ficassem abertas, favorecendo a ventilação cruzada. Além disso, para evitar que o estádio se torne um "elefante branco" após a Copa, existe a possibilidade de reduzir a capacidade de 44 mil lugares para apenas 30 mil.

A redução é possível porque há a opção de desmontagem das arquibancadas e coberturas, devido à composição da superestrutura, em parte montada com pilares e vigas de aço aparafusados. Os módulos Norte e Sul (atrás dos gols) têm seus níveis inferiores idênticos aos demais, executados em concreto pré-moldado. Mas a partir do nível 30, entram os elementos de aço aparafusados, fixados no topo da estrutura de concreto, que permitem desmontar essas porções da arena.

O estádio está dividido em cinco níveis: 00, 10, 20, 30 e 40. No nível 00, há espelhos d'água sombreados, que funcionam como umidificadores dessas áreas. Para dar unidade aos quatro módulos independentes, uma estrutura metálica foi revestida de membrana vazada de PVC, envolvendo todo o conjunto, funcionando como a fachada do estádio.

Para a Concremat, empresa responsável pelo gerenciamento, supervisão e fiscalização das obras, a concepção arquitetônica é umas principais inovações da obra, pois também amplia a iluminação natural. Além disso, há uma convecção térmica para que a diferença de temperatura propicie a circulação do ar.

Como os quatro cantos são abertos, a cobertura foi parte delicada do projeto, porque ela recebe a influência do vento. A solução foi adequar a estrutura a uma forma que faz alusão a uma asa delta. Ao total, a cobertura tem 26,8 mil m² e é termoacústica.

Arquibancada desmontável

A parte superior das arquibancadas Norte e Sul (atrás dos gols) é de estrutura metálica aparafusada, e pode ser desmontada após a Copa. Estrutura modular, que pode reduzir a capacidade do estádio em até 14 mil lugares Concepção arquitetônica prioriza a ventilação natural cruzada, pensando no conforto do torcedor, devido às altas temperaturas da capital do Mato Grosso. A arena é completamente vazada nas laterais e na cobertura
Além da estrutura metálica aparafusada, o restante da estrutura é composto por pilares e vigas pré-moldadas de concreto e vigas-jacaré para os degraus de arquibancada. Os pré-moldados de concreto foram produzidos no próprio canteiro Estrutura metálica de fechamento externo foi revestida de membrana vazada de PVC, envolvendo todo o conjunto, e funciona como a fachada do estádio


José Medeiros/Portal da Copa /ME José Medeiros/Portal da Copa /ME
A iluminação obedece aos critérios da Fifa, com classe V - Iluminância Horizontal 3.500 lux para jogos internacionais e uniformidade U1 0,6 e U2 0,8



A cobertura da Arena Pantanal, dividida em três membranas, tem placas para a captação de energia solar e é inclinada para direcionar a água da chuva para calhas. O formato dela faz alusão a uma asa delta



Toda a superestrutura foi projetada considerando cálculos de carga dinâmica, com ensaio de túnel de vento no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), inclusive a parte desmontável



FICHA TÉCNICA

PROJETOS - Arquitetura: GCP Arquitetos (Sérgio Coelho, autor; Adriana Oliveira e Maurício Reverendo, coautores; Alessandra Araújo, coordenação geral e sustentabilidade) e Grupo Stadia (Danilo Carvalho, coautor/arquitetura esportiva); Projetos de estrutura metálica e cobertura: Ponto de Apoio (projeto básico), Sinclair Knight Merz (projeto conceitual) e Projeto Alpha (projeto executivo); Projeto básico de estrutura de concreto: EGT Engenharia; Projeto e detalhamento de estrutura de concreto: P&G Engenharia; Infraestrutura e geotecnia: Interact Engenharia; Design de interiores: Sandra Ruiz e Shintaro Arakawa; Engenharia de instalações: MHA Engenharia; Paisagismo: KMKaiser; Design de iluminação: Acenda; Projeto de sinalização: OTM; CONSULTORIAS - Leed: CTE; Fluxo de multidões: SDG; CONSTRUÇÃO - Consórcio Santa Bárbara/Mendes Júnior; FORNECEDORES - Concremax, Arcelor Mittal, Entap, Guaporé Vidros, Mills, Thyssenkrupp Elevadores, Deca, Eliane, JAM Engenharia de Ar-Condicionado, Saint Gobain, Anchortec Quartzolit.