Arena da Baixada | Infraestrutura Urbana

Equipamentos Públicos

Obra - Arena da Baixada

Arena da Baixada

Para eliminar três mil pontos cegos e atender às exigências de capacidade da Fifa, estádio teve cobertura totalmente demolida e reconstruída

Por Bruno Loturco
Edição 39 - Junho/2014

Capacidade: 43 mil pessoas
Localização: Curitiba
Valor da obra: R$ 330 milhões

Foto: Portal da Copa

Os atrasos na Arena da Baixada quase deixaram Curitiba de fora da Copa. Para adequar o estádio Joaquim Américo Guimarães, de propriedade do Clube Atlético Paranaense (CAP), às exigências da Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa), foi necessário, primeiro, demolir seis torres existentes acima das arquibancadas e que tinham como propósito sustentar a antiga cobertura. Com isso, foram eliminados cerca de três mil pontos cegos para, então, atingir a capacidade de lugares exigida.

Em um terreno com 65 mil m² de área, são 126.836 m² de área construída, incluindo a ampliação do prédio principal, que praticamente dobrou de tamanho ao ganhar 26.500 m³ além dos 28 mil m³ preexistentes.

Um dos maiores desafios, de acordo com memorial da obra fornecido pelo CAP, foi a execução da cobertura, principalmente devido à necessidade de liberar o espaço abaixo de sua estrutura para realização de serviços no gramado e arquibancadas.

A nova cobertura metálica está totalmente apoiada em vigas secundárias. Estas, por sua vez, apoiam-se nas duas vigas principais. O fechamento é em policarbonato translúcido, material que proporciona, segundo o CAP, ótima iluminação natural e redução do aquecimento geral por meio de sombreamento. Tais características, na visão do clube, atendem à finalidade de transformar o espaço em uma arena multiuso.

O policarbonato também está presente nas fachadas em três tons de cinza. As áreas VIP, no entanto, contam com fechamento em vidro. A proposta do projeto de arquitetura é tornar visível o interior da arena à noite, com a luz interna escapando para a cidade. O fechamento foi concebido de modo a permitir a climatização natural, reduzindo a dependência do ar-condicionado. Outra decisão de projeto foi a adoção de brises na fachada, além de iluminação com led.

Envelope translúcido

Foto: Portal da Copa Foto: Portal da Copa
Totalmente demolida e reconstruída para eliminar pontos cegos e, assim, aumentar a capacidade da arena, a cobertura em estrutura metálica foi um dos pontos críticos da obra. Somente após sua conclusão é que serviços nas arquibancadas e gramado foram retomados


Maior parte do fechamento é em policarbonato translúcido. Vidro está presente nas áreas VIP. Intenção do projeto de arquitetura é otimizar aproveitamento da luz natural, reduzir dependência do ar condicionado e, simultaneamente, tornar interior do estádio visível à noite


Foto: Portal da Copa Foto: Portal da Copa Foto: Portal da Copa
Com capacidade para 43 mil pessoas, estádio do CAP conta com cadeiras rebatíveis para o público geral e estofadas, com encosto alto e apoio de braços, nas áreas VIP. Fixação se deu diretamente sobre estrutura de concreto por meio de estrutura metálica galvanizada Apoiada sobre vigas que atravessam longitudinalmente o estádio, cobertura tem fechamento em policarbonato para aproveitar luz natural e sombrear gramado. Estrutura também abriga sistema de iluminação


Brises na fachada atuam como sistema de proteção solar e não impedem a ventilação natural, ajudando na redução da temperatura no interior das dependências da Arena da Baixada


Divulgação: Clube Atlético Paranaense Foto: Portal da Copa
Elementos pré-fabricados de concreto proporcionaram adequação ao cronograma, além de contribuírem para candidatura à obtenção de certificação Leadership in Energy and Environmental Design (Leed)


Transparência da fachada, esplanada com lojas e telão em led fazem parte da proposta arquitetônica de dialogar e se integrar ao espaço público. Arena localiza-se próxima à região central da cidade, a 3 km de terminal rodoferroviário e a 18 km do aeroporto Afonso Pena

FICHA TÉCNICA

GERENCIAMENTO - MCA Auditoria e Gerenciamento; PROJETOS - Arquitetura, compatibilização de projetos e fiscalização: carlosarcos arquite(c)tura; Estrutura de concreto: Fhecor do Brasil; Estrutura metálica: Andrade e Rezende; Fundações: Baras e EMEPE Fundações; Hidráulica: Barsch Engenheiro Associados; TI: Jugend Engenharia e Automação; Climatização: Michelena Climatização; Fluxo de multidões: Modelle Logística e Engenharia; Túnel de vento: Vento-S Consultoria; Certificação Leed: VG Petinelli; Assessoria ambiental e paisagismo: Instituto de Pesquisa e Conservação da Natureza Ideia Ambiental. FORNECEDORES - Estrutura de concreto: Doria Construções Civis, m²K Construção Civil e Oikos Construções; Pré-moldados: DM; Estruturas metálicas: Brafer e S.G.E.; Hidráulica: Hidroved; Elétrica: Proelt; Ar-condicionado: Good Serv Climatização; Sistemas de TI: NEC; Cobertura retrátil: Lanik; Andaimes: Mills; Cadeiras: Kango; Elevadores: Thyssenkrupp; Pavimentações: Tecnogram; Revestimentos: Porto Belo; Esquadrias: Rissi; Gramado: Campanelli; Policarbonato: Day Brasil; Painéis de LED: Panasonic; Pinturas: PPG; Iluminação: Toolplayer Industria e Comércio; Ledmax e Philips.