Prefeitura estuda adotar novo modal de transporte no Centro de São Paulo

O diretor da São Paulo Urbanismo, Leonardo Amaral Castro, anunciou durante o Conselho de Política Urbana da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) realizado na última quarta-feira (25) que a Prefeitura de São Paulo em conjunto com a empresa chinesa CRRC está analisando a adoção de trens elétricos autônomos para duas novas linhas circulares de transporte na cidade.

A ideia faz parte do projeto Centro Novo do prefeito de São Paulo, João Doria, que prevê a adoção de um modal para as novas linhas circulares que farão conexão com os principais equipamentos e marcos referenciais de São Paulo.

De acordo com Amaral Castro, a prefeitura ainda não decidiu qual será o modal adotado, considerando ainda a implementação de um Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ou do Veículo Leve sobre Pneus (VLP). “Essas ideias não estão descartadas, mas entendemos, até pela necessidade de botar a mão na massa, que o timing de viabilização de investimentos dessa monta seria um timing de mais longo prazo. Não teríamos, em dois anos, um VLT funcionando aqui”, comentou.

O modal em análise com a CRRC é o ART (Autonomous Rapid Transit), que une as tecnologias do VLT ao BRT (Bus Rapid Transit), ou seja, uma carcaça de trem que circula com pneus e se orienta por trilho virtual. “É uma tinta específica pintada no chão, e ele tem um leitor óptico e vai se dirigindo em função desse traçado. Eles estão prototipando esse veículo e, agora em novembro, começa a rodar numa das cidades da China. Também é um investimento alto”, explicou o diretor.

“Neste momento, para fazer o piloto estamos considerando utilizar um ônibus mais moderno. O headway [intervalo entre os trens] deve ser de 5, 6 minutos e por isso vai demandar um número pequeno de veículos. Estamos amadurecendo isso para uma solução que consigamos implementar bem rápido”, disse Castro.

O diretor ressaltou que ainda não há previsão para a escolha do modal que será utilizado no projeto Centro Novo, porém em coletiva de imprensa o prefeito Doria definiu 2020 como data limite de implantação.

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb