Governo do Distrito Federal autoriza início da reforma do Museu de Arte de Brasília

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, autorizou na última terça-feira (24) o início da reforma do Museu de Arte de Brasília (MAB), que está fechado há 10 anos por recomendação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. A Engemil será a empresa responsável pelas intervenções orçadas em R$ 7.698.574,15.

Os recursos são provenientes do Banco do Brasil e da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), fazendo parte do programa Lugar de Cultura, que prevê a recuperação de espaços culturais no Distrito Federal.

A reforma prevê a adequação do edifício às normas de acessibilidade, implantação de placas fotovoltaicas na cobertura para geração de energia e climatização dos ambientes, além de laboratório para restauração, sala de triagem para recebimento e avaliação de obras e espaço para quarentena de obras quando necessário.

A fachada do Museu de Arte de Brasília possui traços simples que seguem a arquitetura modernista da cidade e, por isso, será preservada durante toda a obra. Vale lembrar que a edificação foi inaugurada em 1960 e tem a arquitetura assinada por profissionais da própria Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).

A proposta de reforma foi aprovada pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do DF (Conplan) e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), após passar por adaptações para atender normativas nacionais e internacionais, de acordo com a Secretaria de Cultura.

“Esta obra tem caráter simbólico grande para a nossa cidade, pois o MAB está fechado há dez anos e tem um acervo precioso de arte contemporânea”, comentou o governador.

A previsão é que o museu seja entregue em novembro de 2018. “Ainda em 2017, devolveremos à população o Centro Cultural de Dança. No ano que vem, serão entregues o Espaço Cultural Renato Russo e os complexos culturais de Samambaia e de Planaltina, que, assim como a recuperação do Teatro Nacional [Claudio Santoro], formam o acervo de espaços culturais fechados que serão reativados”, acrescentou Rollemberg.

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb