FGTS investirá R$ 330 bilhões em habitação, saneamento e infraestrutura nos próximos quatro anos

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou na última semana o orçamento dos próximos quatro anos, que prevê mais de R$ 330 bilhões para investimentos em habitação, saneamento e infraestrutura. A medida pretende beneficiar cerca de 144,7 milhões de pessoas, além da criação de 6,7 milhões de postos de empregos.

De acordo com o conselho, apenas para o ano de 2018 serão mais de R$ 85,5 bilhões para os setores operacional, financeiro e econômico do FGTS, enquanto para os anos de 2019 e 2020 será de R$ 81,5 bilhões por ano, além de R$81 milhões previstos para 2021. Vale destacar que o orçamento de 2017 foi de R$ 77,5 bilhões.

“É um bom orçamento. O Fundo está sólido e estável e continua sendo um importante instrumento para financiar o desenvolvimento do País”, afirmou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Entre os segmentos, é estimado para a área de habitação orçamento de R$ 69,4 bilhões em 2018, R$ 68 bilhões em 2019, mais R$ 68 bilhões em 2020, e R$ 67,5 bilhões em 2021. A maior porcentagem desses recursos é para a habitação popular, com pelo menos R$ 62 bilhões previstos até 2020 e R$ 62,5 bilhões para 2021. “Na habitação, a execução de recursos do FGTS já é boa e estamos mantendo os valores para os próximos anos”, destacou o coordenador-geral do FGTS, Bolivar Moura Neto.

Já para a área de saneamento e infraestrutura, o orçamento prevê R$ 6,8 bilhões em 2018 e R$ 6 bilhões por ano até 2021. A infraestrutura urbana, por sua vez, receberá em 2018 R$ 8,6 bilhões e mais R$ 7 bilhões por ano até 2021.

Para elaboração deste orçamento, o conselho considerou a estimativa de arrecadação do FGTS no período, destacando que pode exigir variações positivas ou negativa nos orçamentos, conforme as medidas implantadas pelo Governo.

Confira a seguir os valores divididos por regiões e estados:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb.