Área de infraestrutura recebe apenas 4,1% do previsto pelo FGTS em 2016

Segundo balanço divulgado na última terça-feira (22) pelo Ministério do Trabalho, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) injetou R$ 190,37 bilhões na economia brasileira em 2016. Deste montante, R$ 108,89 bilhões são relativos aos saques, enquanto R$ 81,48 bilhões foram liberados por meio de crédito de financiamento.

Entre os setores, a Habitação foi o qual teve maior investimento do fundo, de R$ 80,86 bilhões. O montante representa 88% das contratações estimadas para o ano. As áreas de Infraestrutura e Saneamento, porém, não tiveram resultados tão positivos. Foram liberados R$ 386,32 milhões e R$ 226,64 milhões, respectivamente, o que corresponde a apenas 4,1% e 6,5% do total previsto para 2016.

Somado ao Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) o FGTS obteve o melhor resultado da história com lucro de R$ 14,55 bilhões em 2016, gerando ativo total de R$ 505,28 bilhões e patrimônio líquido de R$ 98,17 bilhões. Cerca de R$ 3,23 bilhões são derivados da recuperação feita por auditores-fiscais, de recursos que não haviam sido depositados pelos empregadores as contas vinculadas dos trabalhadores. “Foi um trabalho minucioso das equipes de fiscalização, do planejamento do Ministério e do uso maciço dos recursos de informática, o que a gente chama de inteligência fiscal”, disse o chefe da divisão de fiscalização do FGTS do Ministério do Trabalho, Joel Darcie.